Visualização de vídeos

Os vídeos e músicas postados neste espaço podem não ser visualizados em versões mais recentes do Internet Explorer, sugiro a utilização do Google Crome, mais leve e rápido, podendo ser baixado aqui.

terça-feira, 6 de junho de 2017

Vicente do Rego Monteiro - Nem Tabu, nem Totem

Existem ocasiões que me sinto privilegiado, conhecer ou rever obras dos grandes mestres das nossas artes plásticas me embevece, pois me lembra que tivemos artistas que exerciam seu mister com maestria e rigor técnico, coisas que hoje em dia são raras ou que não mais existem.

Esta mostra de Vicente do Rego Monteiro é um dessas, que embora pequena, tem obras expressivas de sua produção, inconfundíveis em sua estética com seus traços que são também sua assinatura.

Mais um magnífico evento proporcionado pela galeria Almeida e Dale com curadoria de Denise Mattar, um passeio inesquecível.






Brasiliana nº 8 para Dois Pianos - Choro - Arthur Moreira Lima - Radamés Gnattali






















Galeria Almeida e Dale recebe exposição Vicente do Rego Monteiro - Nem Tabu, nem Totem

Vicente do Rego Monteiro | O vendedor de esteiras | Óleo sobre tela | 50 x 65 cm | Coleção Particullar

“Quero que o meu poema não seja nem tabu, nem totem”
Vicente do Rego Monteiro

O pintor e poeta pernambucano Vicente do Rego Monteiro foi um artista singular, cuja instável personalidade marcou sua produção e também a relação com seus pares e com intelectuais da primeira metade do século XX. Colheu como fruto desse perene desassossego ser lembrado e esquecido, estar presente e ausente. A exposição Vicente do Rego Monteiro - Nem Tabu, nem Totem, que a Galeria Almeida e Dale recebe a partir de 3 de junho, apresenta ao público paulistano um recorte com os principais momentos dessa figura instigante, muitas vezes preterida, apesar de ter sido um dos precursores dos ideais da Semana de 22.
A exposição, que tem curadoria de Denise Mattar, reúne 38 obras do artista, mesclando trabalhos de diferentes períodos agrupados por analogia de linguagem, pondo em relevo a excepcionalidade do artista. O recorte foca em sua produção plástica das décadas de 1920 a 1940, apresentando trabalhos da série "Lendas Amazônicas", um conjunto de obras art déco, a breve influência surrealista, as naturezas mortas perspectivadas, além do seu interesse pela arte sacra.
Participante da Semana de 22, Rego Monteiro, estava muito à frente dos modernistas brasileiros. Já no início dos anos 1920, sua temática era povoada pelas lendas indígenas e pelo sagrado. A exposição que chega à galeria paulistana traz dessa época as aquarelas A rede do amor culpado (Bailado na Lua), Composição indígena e Sem título, que em 1921 integraram uma mostra realizada no Teatro Trianon - na época muito bem recebida pela crítica.
"Vicente do Rego Monteiro queria ser escultor, mas foi como pintor que impregnou sua obra de intensa expressão tátil. Produziu um surpreendente indianismo de vanguarda, mas nunca foi um 'antropófago'. Criou um caminho inteiramente original na pintura, miscigenando o art déco e a cerâmica marajoara, mas nele enveredou para uma religiosidade cristã", destaca Denise Mattar.
A curadora explica que o verso que dá nome à mostra é parte de um soneto, Meu Poema, de autoria do próprio Rego Monteiro. "O título da mostra exprime com precisão a desconcertante personalidade do artista, que, durante toda a sua vida, alternou longos períodos entre o Sena e o Capibaribe, entre as artes plásticas e a poesia, entre a criação e a edição", afirma.
Ainda em meados da década de 1920, morando em Paris, Rego Monteiro desenvolve uma técnica, inteiramente pessoal, reportada às estilizações formais do art déco, num clima mítico, místico e metafísico, passando a integrar o importante grupo L’Effort Moderne. A produção desse período é considerada a melhor fase do pintor. Seus trabalhos da época ganharam destaque pelo caráter escultórico de sua pintura. Os óleos sobre tela Fuga para o Egito e Atirador de arco são algumas das obras primas desse momento.
Na segunda metade da década, Rego Monteiro casa-se com a francesa Marcelle Louis Villard, que herda os bens de seu primeiro marido. Deslumbrado diante de uma nova situação econômica, o artista passa a viver uma vida frenética. Nesta época, alguns de seus trabalhos ganham certa influência surrealista, tais como Arlequim e o Bandolim e Moderna degolação de São João Batista.
Em 1928, Rego Monteiro é convidado por Oswald de Andrade a integrar o movimento Antropófago. O artista não apenas recusa o convite, como também se sente insultado, por se considerar um pioneiro da antropofagia – questão que suscita opiniões diversas pela crítica até hoje. Para o crítico literário Jorge Schwartz, por exemplo, o fato de Rego Monteiro ter sido pioneiro na introdução do indianismo de vanguarda não o torna um antropófago, nos moldes formulados pelo poeta paulista no final da década.
“O movimento oswaldiano não pode ser dissociado de uma proposta revolucionária e utópica. O indianismo de Rego Monteiro não ultrapassa os limites estéticos e até decorativos que imprime a sua extraordinária obra”, afirma o autor em Fervor das Vanguardas.
Após a quebra da bolsa de Nova York, em outubro de 1929, a vida artística parisiense é afetada e Rego Monteiro inicia uma década de pouca produção pictórica. Em 1933, retorna ao Brasil e, pouco tempo depois, passa a dirigir a revista monarquista e nacionalista Fronteiras, onde escreve artigos e realiza uma série de ilustrações e fotografias. A postura conservadora da publicação contribui para o isolamento do artista. Exemplo disso foi a proposta de queima em praça pública de Casa Grande e Senzala, de Gilberto Freyre, seu amigo na juventude.
Em 1942, Rego Monteiro retoma, em pintura, alguns temas nordestinos que desenhara na década anterior. A tela O vendedor de esteiras data deste período. Na mesma época, o artista passou a retratar uma série de naturezas-mortas, da qual figuram Natureza morta e Tulipas. Ainda nesse período, ele pinta algumas obras com princípios figurativistas dos anos 20, a exemplo de Mulher com violoncelo.
De volta a Paris, o artista funda, em 1947, a La Presse à Brass, editora particular que se transformou em símbolo de sua dedicação à poesia e à cultura francesa. Durante esse período de 10 anos Rego Monteiro publica 13 livros de sua autoria, mas sua produção plástica é pequena. Em 1960, recebeu um dos mais importantes prêmios literários da França, o Prix Guillaume Apollinaire.
Rego Monteiro volta ao Brasil em meados de 1950 e a partir daí dedica-se intensamente à pintura. Na década de 1960, retoma os temas regionalistas e as naturezas-mortas desenvolvidos em 1940.
Em 1970, Rego Monteiro figura na 8ª edição da exposição Resumo JB, evento prestigiadíssimo na época, que elegia os mais destacados artistas do ano. Preparando sua ida ao Rio, para a abertura da mostra, ele sofre um enfarte, falecendo a 5 de junho, no Recife.
“Confirmando a incoerência que permeou toda a vida de Vicente do Rego Monteiro, foi exatamente quando sua obra entrou em declínio que ele recebeu o reconhecimento que tanto buscou. Rego Monteiro foi uma personalidade fascinante e incoerente - nem tabu, nem totem”, afirma Denise Mattar.
A exposição reúne ainda seis obras de Fedora e Joaquim do Rego Monteiro, irmãos de Vicente, sempre referidos nas biografias do artista, mas raramente apresentadas em exposições fora do Recife. Fedora foi a primeira mulher brasileira a participar do Salon des Indépendants, em Paris. A artista teve uma produção constante, sempre observada pela crítica francesa, até seu retorno ao Recife e o casamento com o político e jornalista Aníbal Fernandes. Dedicada à família a partir daí, a artista só voltou à sua obra 13 anos depois, pintando, então, com assiduidade, até o seu falecimento em 1975.
Já Joaquim do Rego Monteiro desenvolveu um interessante trabalho de raiz cubista, pleno de simultaneidades informais. As obras apresentadas na exposição são do início de sua carreira e retratam o interior e o exterior do atelier que ele e Vicente partilharam na Rue Gros, em Paris, no ano de 1923. O artista faleceu prematuramente, em 1935.
A exposição Vicente do Rego Monteiro – Nem Tabu, nem Totem insere-se dentro de uma ação institucional da Galeria Almeida e Dale que busca resgatar grandes talentos da arte brasileira, como nas mostras já apresentadas de José Antônio da Silva, Eliseu Visconti, Raimundo Cela, Ernesto de Fiori, Di Cavalcanti, Ismael Nery, Willys de Castro, Alberto da Veiga Guignard, Alfredo Volpi e Aldo Bonadei.
O início da carreira
Vicente do Rego Monteiro nasceu em 19 de dezembro de 1899, no Recife. Por influência de sua mãe, professora, todos os irmãos revelaram seus pendores artísticos: José seria arquiteto, Fedora, Vicente e Joaquim, pintores, e Débora, escritora.
Dez anos mais velha, sua irmão Fedora foi responsável pela mudança da família para Paris em 1911. Numa atitude bastante incomum para a época, sua mãe decidiu que a filha deveria continuar os estudos de artes iniciados na Escola Nacional de Belas Artes na Académie Julian, na capital francesa. Vicente a acompanhava em algumas aulas e frequentava cursos paralelos, mas o que realmente o interessou nessa primeira estadia foi a efervescência cultural da cidade.
A eclosão da I Guerra fez com que a família voltasse para o Brasil, em 1914, fixando-se no Rio de Janeiro. Em 1918, Vicente assiste no Recife às apresentações da companhia de Ana Pavlova, o que o leva a pensar na criação de um bailado inspirado nas lendas indígenas brasileiras. Ele dedica-se então a estudar as lendas amazônicas, e o faz com seriedade.
Em 1920, Vicente apresenta um conjunto de 43 obras na Livraria Moderna, em São Paulo, onde conhece Anita Malfatti, Brecheret e Di Cavalcanti. A mostra segue para a Associação dos Empregados do Comércio, no Rio de Janeiro, e depois é apresentada, com 31 obras, na mesma entidade no Recife. De modo geral, a imprensa recebeu bem a exposição, com destaque para as críticas de Monteiro Lobato e Ribeiro Couto.
Logo após a mostra, o artista decide retornar a Paris. Foi um momento de experimentação, de procura de novos caminhos. Em 1922, participou, por acaso, da Semana de Arte Moderna em São Paulo, com dez obras que ele havia deixado com Ronald de Carvalho quando partiu e que foram incluídas na mostra pelo poeta.
VRM Foto_Edmond_Dansot
Vicente do Rego Monteiro, 1970 | Foto: Edmond Dansot
Maturidade
A grande virada na obra de Vicente do Rego Monteiro ocorreu, entre 1923 e 1925, quando o artista teve a sensibilidade de conectar o estilo art déco, em plena ascensão na França, às suas raízes brasileiras e à arte marajoara. Foi também o momento no qual conseguiu transformar a pesquisa sobre as lendas amazônicas num livro e ainda realizar seu sonhado bailado, apresentando-o, em alguns dos melhores teatros de Paris, com dançarino François Malkovikz (1899-1982), sucessor de Isadora Duncan.
Nas décadas seguintes, o artista se divide entre Paris e Recife, em longos períodos intercalados, ora se dedicando com afinco à pintura, ora à poesia e à produção editorial.
Em 1966, é contratado para lecionar no Instituto Central de Artes da Universidade de Brasília, onde assume a direção da Gráfica Piloto. No bojo dos movimentos políticos de 1968, o ateliê de Monteiro no campus da UnB é invadido e algumas de suas obras são destruídas por estudantes extremistas.
Além de estar presente nos principais acervos museológicos do Brasil Rego Monteiro é o artista moderno brasileiro mais bem representado na França, com importantes obras no Museu Nacional de Arte Moderna- Centro Georges Pompidou, Paris, Museu de Arte Moderna de la Ville de Paris, Museu Géo-Charles, Echirolles e Museu de Grenoble.
Em outubro deste ano, o Centro Pompidou apresentará uma importante exposição retrospectiva de Paulo Brüscky, que incluirá na sua exposição dois trabalhos de Rego Monteiro que integram o acervo da instituição francesa. Grande admirador do artista, Brüscky realizou extensa pesquisa documental sobre ele - material que estará presente no Pompidou -, e publicou em 2004, no Recife, um livro reunindo toda a obra poética do artista pernambucano.
Clique aqui para mais imagens.
Vicente do Rego Monteiro - Nem Tabu, nem TotemVernissage: 3 de junho (sábado), das 11h às 14hPeríodo de exposição: de 5 de junho a 29 de julhoDe segunda a sexta, das 10h às 18h; sábado, das 10h às 14h
Galeria Almeida e DaleR. Caconde, 152 - Jardim Paulista, São Paulo – SP
Tel.: 11 3887-7130
www.almeidaedale.com.br


A4&Holofote
+55 (11) 3897-4122

Cristiane Nascimento – cristianenascimento@a4eholofote.com.br
Neila Carvalho neilacarvalho@a4eholofote.com.br


quinta-feira, 25 de maio de 2017

Cícero Dias - Um percurso poético

Hoje vejo Denise Mattar como a melhor curadora de arte do Brasil, pois nos últimos anos todas as melhores exposições de arte aqui ocorridas tiveram sua assinatura, 

O que não seria diferente com essa que nos apresenta um conhecido e consagrado pintor que  tem suas obras dispersas nas melhores coleções. Que trabalho hercúleo deve ser localizá-las e reuni-las nesse magnífico evento, como deve ser difícil lidar com o zelo e os ciúmes dos proprietários de tais tesouros que naturalmente devem ter em ceder-los temporariamente. Só mesmo a uma profissional de reconhecida competência e com tal história de sucessos as consegue.

Muito bem distribuídas nas salas do CCBB, mostra as diversas fases e suportes do artista durante sua longeva carreira, cujo denominador comum é a exuberância das cores.

Um magnífico passeio que traz alegria aos olhos e nos remete ao subconsciente de Cícero Dias.



Gaya E Sua Orquestra - Um Brasileiro Em Paris (1961) - Douce France

Abaixo das imagens, o "press-release" fornecidos pela assessoria de imprensa do evento.



























Centro Cultural Banco do Brasil de São Paulo traz a Mostra de Cícero Dias em abril
Exposição Cícero Dias - Um percurso poético passou por Brasília e seguirá para o Rio de Janeiro em agosto; agendamento pode ser feito pela internet

Cícero Dias - Cena rural, c. 1920-29, óleo sobre tela
“O que vivia dentro de mim era o sonho. Contradições
que a natureza criava: o invisível e o visível. As raízes da
infância, profundas mesmo, inseparáveis de mim. Vivia de costas
para o realismo. Ao encontro da poesia”.
                                                                    Cícero Dias
Em 1938, o pintor pernambucano Cícero Dias foi chamado de “um selvagem esplendidamente civilizado” pelo crítico de arte francês André Salmon, que parafraseava um poema de Verlaine para Rimbaud. A definição descreve perfeitamente sua trajetória nas artes, agora retratada pela exposição Cícero Dias - Um percurso poético. A mostra chega à unidade de São Paulo do Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) em 21 de abril depois de sua estreia em Brasília e fica aberta até 3 de julho, antes de seguir para o Rio em 1º de agosto. A abertura da exposição, em 21 de abril, marca o 16º aniversário do CCBB São Paulo, inaugurado em 2001.
Com curadoria de Denise Mattar, curadoria honorária de Sylvia Dias, filha do artista, e produção da Companhia das Licenças, a mostra segue para o Rio de Janeiro em agosto.  
A exposição apresenta ao público um conjunto de 125 obras de um dos mais importantes artistas brasileiros do século XX, que completaria 110 anos em 2017 e cuja trajetória é reconhecida internacionalmente, contextualizando sua história e evidenciando sua relação com poetas e intelectuais brasileiros e sua participação no circuito de arte europeu. Além das obras, a exposição trará ainda cartas, textos e fotos de Manuel Bandeira, Gilberto Freyre, Murilo Mendes, José Lins do Rego, Mário Pedrosa, Pierre Restany, Paul Éluard, Roland Penrose, Pablo Picasso, Alexander Calder, entre outros. “Na sua longa e prolífica carreira, Cícero Dias manteve, como poucos, a fidelidade a si próprio. Sempre foi inteiramente livre, ousando fazer o que lhe dava vontade, sem medo das críticas”, afirma a curadora Denise Mattar.
A mostra
A exposição traz um panorama de toda produção do artista, dividida em três grandes núcleos que delineiam seu percurso poético. São eles: Brasil, Europa e Monsieur Dias – Uma vida em Paris - cada um deles, por sua vez, dividido em novos segmentos, cuja leitura não é estanque, mas entrecruzada e simultânea.
Brasil
A mostra é aberta por “Entre Sonhos e Desejos”, que traz um conjunto de 30 aquarelas produzidas entre 1925 e 1933. “Lírico, agressivo, caótico, sensual, poético e emocionante, o trabalho de Cícero Dias nesse período era muito diverso de tudo o que se produzia na época. Ele sacudiu os nossos incipientes modernistas, estonteados pela força, a estranheza e a espontaneidade da obra de Cícero”,  diz a curadora.
“Memórias de Engenho” é majoritariamente composto por óleos realizados entre 1930 e 1939, quando a produção de Cícero Dias é mais narrativa e lírica, voltada para suas lembranças de infância no Engenho Jundiá. O conjunto reúne também algumas obras raras produzidas na sua adolescência e a famosa gravura aquarelada que ilustrou a primeira versão de “Casa Grande e Senzala”, de Gilberto Freyre, de quem era grande amigo.
 “E o Mundo começava no Recife...” apresenta obras que fazem um contraponto às lembranças rurais, mostrando as recordações urbanas do jovem Cícero no Recife. As casas coloniais debruçadas para o mar, os sobrados e seus interiores, os jardins com casais românticos, e as alcovas - com amores mais carnais. Nesse momento, Cícero produziu obras excepcionais, entre elas Sonoridade da Gamboa do Carmo e Gamboa do Carmo no Recife.
Ainda nos anos 1930, o artista realizou alguns figurinos para importantes espetáculos, como o balé Maracatu de Chico Rei, de Francisco Mignone, em 1933; e o balé Jurupari, de Villa-Lobos, em 1934. Inéditos até hoje, os trabalhos são apresentados na exposição num pequeno conjunto intitulado Teatro.
Europa  
Em 1937, incentivado por Di Cavalcanti, Cícero Dias viajou para Paris. Poucos meses após a sua chegada, ele apresentou uma exposição na Galerie Jeanne Castel, com obras trazidas do Brasil e outras já pintadas em Paris. A mostra foi um sucesso de público, de crítica e de vendas.
Integrado ao ambiente artístico da cidade, Cícero tornou-se muito amigo de Picasso e do poeta Paul Éluard, mas, em 1939, a eclosão da II Guerra veio desconstruir esse momento precioso. Em 1941 ele foi preso e enviado a Baden-Baden para uma troca de prisioneiros e acabou se tornando o responsável por levar a poesia “Liberté” de Éluard para fora da França ocupada pelos nazistas. Impressa pelos Aliados, a poesia foi jogada de avião sobre Paris, para dar ânimo à Resistência. Por essa ação, Cícero foi condecorado no final da Guerra.
“Entre a Guerra e o Amor” reúne majoritariamente reproduções de fotos, cartas, documentos, além de desenhos e aquarelas, de pequeno formato, realizadas por Dias durante a II Guerra Mundial, em condições precárias. São testemunhos das suas vivências no conflito, e também de seu amor por Raymonde, que conhecera nesse período e se tornaria sua mulher.
Quando saiu de Baden-Baden, Dias seguiu com Raymonde para Lisboa, onde sua obra passou por uma mudança radical. Seu trabalho tornou-se eufórico e selvagem, exorcizando os fantasmas da guerra ainda não terminada. Este momento de sua produção define “Lisboa – Novos Ares”.“Nessa fase, Cícero Dias parece saltar sobre nós, ele nos sacode em telas que fariam inveja aos ‘fauves’, pela audácia e pela novidade das buscas cromáticas, dos traços ousados e dos temas irreverentes, irônicos e provocativos. Títulos ambíguos completam as obras: Mamoeiro ou dançarino?, Galo ou Abacaxi? Ele simplifica o desenho, usa pinceladas brutas, cores inusitadas e estridentes, e tonalidades intensas e brilhantes. Tudo grita e desafia!”, destaca a curadora.
Ainda na capital portuguesa, Dias deu início à sua despedida da figuração, em um trabalho que ficou conhecido como fase vegetal, retratado na exposição por “A Caminho da Abstração”. Nesse momento, o artista criou múltiplas imagens superpostas a partir da vegetação, incorporando novos elementos plásticos e borrando fronteiras entre figuração e abstração.
A seguir, Dias passou a trabalhar com formas curvas e sensíveis, abrindo o caminho para a abstração, tornando-se o primeiro artista brasileiro a trabalhar com essa vertente. Sua produção deste período está reunida no segmento “Geometria Sensível”.
Em 1948, Cícero veio para o Brasil para executar uma série de pinturas murais abstratas, consideradas as primeiras da América Latina. O trabalho foi realizado na sede da Secretaria da Fazenda do Estado de Pernambuco, em Recife, e causou intensa polêmica.
Monsieur Dias - Uma vida em Paris
Em 1945, com o final da Guerra, Cícero voltou a Paris convocado por Picasso. Lá ele abandonou as curvas e as cores suaves por um trabalho mais geométrico. “Abstração Plena” reúne um conjunto de obras dessa produção que ele fará até os anos 2000. Longe do Concretismo e da proposta de supressão da subjetividade, o abstracionismo de Dias é vibrante, quente e luminoso, mais próximo de Kandinsky. Na Europa, seu trabalho foi acolhido com entusiasmo, e ele passou a integrar o Grupo Espace e a expor na importante galeria Denise René.
Avesso a escolas e fiel a si próprio, Cícero Dias desenvolveu nos anos 1960, paralelamente à sua pesquisa geométrica, uma série chamada “Entropias”, nas quais deixava a cor escorrer, misturar-se, e esvair-se. A série é representada na exposição por um pequeno grupo de trabalhos.
“Menos do que tachismo, ou abstracionismo informal, as entropias parecem um despudorado mergulho nas possibilidades do uso da tinta; sem retas, sem linhas marcadas, sem nenhum esquema formal a cumprir - o fascínio da liberdade, do deixar-se ir”, afirma Denise Mattar.
No final dos anos 1950, Cícero Dias retornou às suas origens trazendo de volta o imaginário lírico, permeado de memórias e referências de sua terra natal. Mas o fez em outro diapasão, incorporando as suas descobertas ao longo da vida. Resgatou a delicadeza das mulheres sonhadoras e esvoaçantes dos anos 1920, manteve os traços largos e a audácia colorística dos anos “fauves”, e apoiou essas imagens na estrutura geométrica de sua abstração. Para a curadora, “essa vertente, que pintará até o final de sua vida, tem sabor mais doce, como fruta madura”.
Acervos
As obras que integram a mostra provêm de algumas das principais instituições do país, como Museu de Arte Contemporânea de São Paulo (MAC-USP), Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAM-RJ), Museu Oscar Niemeyer (MON), Museu de Arte Brasileira da FAAP (MAB-FAAP), Museu do Estado de Pernambuco (MEPE), Fundação Gilberto Freyre, Instituto Casa Roberto Marinho, além de coleções particulares como Sérgio Fadel (RJ), Gilberto Chateaubriand (RJ), Waldir Simões de Assis (PR) entre outros. Completa a exposição um expressivo número de trabalhos vindos de coleções internacionais, criando assim uma oportunidade única para a apreciação da obra desse grande artista.
Educativo
Um conjunto de atividades na exposição possibilita ao público de todas as idades entender a variedade da obra de Cícero Dias e os elementos recorrentes que a permeiam. Uma instalação multimídia, por exemplo, permite que o visitante escolha entre imagens presentes no trabalho do artista e crie sua própria aquarela. Por meio de um quebra-cabeças o público pode também reconstituir o painel de 11 metros da obra Eu vi o mundo... ele começava no Recife. Fragmentos de seis obras de várias fases de sua carreira formam ainda um cubo-mágico que pode ser montado das mais diversas formas.
Os visitantes também podem fazer uma visita guiada pelo celular, com a ajuda de um aplicativo que pode ser baixado na Apple Store ou no Google Play, também disponível em libras. O guia conduz o público por um caminho sonoro de 30 pontos fundamentais para a compreensão da arte e da vida do artista.
Clique aqui para mais imagens.
Serviço:
Exposição Cícero Dias - Um percurso poético
Centro Cultural Banco do Brasil | CCBB SP
Período expositivo: 21 de abril a 3 de julho       
Horário de visitação: de quarta-feira a domingo, das 9h às 21h
Entrada franca:                    
Agendamento realizado pelo sistema Ingresso Rápido – aplicativo disponível para Android e IOS ou site www.ingressorapido.com.br
Endereço: Rua Álvares Penteado, 112 – Centro
Próximo às estações Sé e São Bento do Metrô
Informações: (11) 3113-3651/3652     
Estacionamento conveniado: Estapar
Rua Santo Amaro, 272
R$ 15,00 pelo período de 5 horas. (Necessário validar o ticket na bilheteria do CCBB.)
Traslado gratuito
Transporte gratuito até as proximidades do CCBB – embarque e desembarque na Rua Santo Amaro, 272, e na Rua da Quitanda, próximo ao CCBB. No trajeto de volta, tem parada no Metrô República.
Acesso e facilidades para pessoas com deficiência física // Ar-condicionado 
www.bb.com.br/cultura - www.facebook.com/ccbbsp - www.twitter.com/ccbb_spwww.instagram.com/ccbbsp
Centro Cultural Rio de Janeiro | CCBB Rio
Período expositivo:  1º de agosto a 25 de setembro
Endereço: Rua Primeiro de Março, 66 – Centro
Horário de visitação: de quarta-feira a domingo, das 9h às 21h
Entrada franca
A4&Holofote
+55 (11) 3897-4122

Cristiane Nascimento – cristianenascimento@a4eholofote.com.br
Fernanda Reis – fernandareis@a4eholofote.com.br
Neila Carvalho – neilacarvalho@a4eholofote.com.br
Mai Carvalho –maicarvalho@a4eholofote.com.br
Assessoria de Imprensa CCBB SP
Tel: (11) 3534-6761 (11) 94813-6383
Leonardo Guarniero:  leoguarniero@bb.com.br



segunda-feira, 17 de abril de 2017

Construções Sensíveis: a experiência geométrica latino-americana na coleção Ella Fontanals-Cisneros

O Centro Cultural da FIESP, através de sua Galeria de Arte nos traz essa magnífica mostra de arte concreta da coleção Ella Fontanals-Cisneros que possui obras das mais representativas dessa corrente de criação.

Com obras artistas de toda a América Latina que estão certamente em qualquer enciclopédia de Belas Artes, nos apresenta um belo apanhado de tudo, pintura, esculturas, montagens e fotografias, o que de bom consta em seu acervo.

É muito bom ver ou rever obras de artistas icônicos como Jesus Rafael Soto, Ligya Clark, Hélio Oiticica e Julio Le Parc entre outros.

Um magnífico passeio em um centro cultural que vai se tornando referência em belíssimas exposições.



Gnossienne No. 2 Avec étonnement - Olga Scheps


Abaixo das imagens, o "press-rease", fornecidos pela assessoria de imprensa da FIESP.






























São Paulo, março de 2017– O Brasil receberá em abril uma das mostras mais abrangentes e representativas da arte abstrata da América Latina. A exposição Construções Sensíveis: a experiência geométrica latino-americana na coleção Ella Fontanals-Cisneros, que abre dia seis na Galeria de Arte do Centro Cultural Fiesp, gerenciada pelo SESI-SP, em São Paulo, traz 124 obras de 63 artistas, de sete países da América Latina. Montada pelos curadores Rodolfo de Athayde e Ania Rodríguez, da Arte A Produções, a partir da coleção Ella Fontanals-Cisneros, a mostra, que fica em cartaz até 18 de junho, engloba desde pintura, desenho ou obras sobre papel, até esculturas, objetos, fotografias e vídeos. A entrada é gratuita.
"A exposição traz ao Brasil um recorte da abstração no nosso continente. Junto ao importante legado do concretismo e neoconcretismo brasileiros, são apresentadas as poéticas abstratas que prosperaram em outros países a partir dos anos de 1930”, explica Ania. Vários dos nomes representados na mostra têm reconhecimento internacional e muitos influenciaram e foram influenciados por latinoamericanos que encontraram em Paris ou Nova Iorque, pontos comuns de contato, intercâmbio e informação na época.
Essa rara oportunidade de conhecer num único evento, tantos e tão instigantes autores e obras só foi possível porque Ella Fontanals-Cisneros construiu, a partir de 1970, uma coleção de arte abstrata geométrica e concreta, que já reúne mais de 2,6 mil obras, produzidas entre 1920 e 1982.
Com a instalação, em 2002, da Fundação de Arte Cisneros-Fontanals (CIFO, The Cisneros Fontanals Art Foundation) criaram-se condições para apoiar artistas latino-americanos tanto em suas produções, quanto na realização de exposições e promoção de arte e cultura.
A colecionadora, nascida em Cuba e criada na Venezuela, faz questão que o público tenha acesso ao que ela conseguiu reunir. “No meu caso, a motivação fundamental é aprender; a abstração me interessa e por isso continuo adquirindo obras, mas simultaneamente me agradam outras coisas e quero aprender mais sobre o conceitual”, comenta Ella Fontanals-Cisneros, que estará presente à abertura da exposição, na Galeria de Arte do Centro Cultural Fiesp, localizado em plena Avenida Paulista, em abril. E ali o público poderá apreciar o diálogo entre os artistas e grupos formados em países como Brasil, Argentina, Uruguai, Cuba, Venezuela, Colômbia e México, potencializado pela exposição.
Desde a sua fundação, a CIFO já doou mais de um milhão de dólares para mais de 120 artistas da América Latina, para ajudar na criação e exibição de novos trabalhos. E organizou exibições da coleção de Ella Fontanals-Cisneros em várias instituições, de diversos países. Esse ambiente de estímulo aos criadores e apreço pela arte, desenvolvido pela presidente da Fundação de Arte Cisneros-Fontanals encontrou, nos curadores a parceria adequada para desenvolver o projeto da exposição brasileira. Mostras realizadas com sucesso — Los Carpinteros, Kandinsky, Carlos Garaicoa e Virada Russa, para citar algumas — e o grande conhecimento que Ania e Rodolfo têm do panorama artístico da América Latina foram fundamentais para estabelecer a afinidade, que resultou na concretização dessa exposição. Agora, a parceria com o SESI-SP possibilita que o público de todas as idades possa aproveitar essa oportunidade única, sem ter que pagar nada.
Ania destaca que Construções Sensíveisé uma exposição pensada especialmente para o Brasil, e presta uma sutil homenagem à mostra Arte Agora III, América Latina: Geometria sensível, que em 1978 ocupou o Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro e fora destruída por conta de um trágico incêndio. Muitos dos artistas apresentados naquela histórica ocasião estão presentes aqui, como representação das tendências pioneiras na região, agora junto a artistas contemporâneos que apontam para os rumos da abstração hoje”.
Os abstratos brasileiros estão bem representados, com os Bichos e Tteia de Lygia Clark, o Metaesquema de Hélio Oiticica e as fotografias de Thomaz Farkas e Geraldo de Barros, dentre outras obras relevantes.
A história do abstrato na América Latina, com seus paradoxos e contradições, é suscetível a estereótipos e mal-entendidos, mas, ao mesmo tempo, carente de uma pesquisa mais extensa, que registre suas conquistas e alcance a partir de suas concepções particulares. A exposição Construções Sensíveis é um passo importante na abertura desses horizontes, ao colocar ao alcance dos brasileiros esse elenco impressionante de artistas, com entrada gratuita.
OS PAÍSES REPRESENTADOSAbaixo alguns dos autores com obras na exposição, para dar uma ideia da abrangência e da relevância do panorama que foi montado:
  • Argentina: Gyula Kosice, Enio Iommi, Gregorio Vardanega, Martha Boto e Julio Le Parc
  • Brasil: Lygia Clark, Hélio Oiticica, Mira Schendel, Geraldo de Barros e Thomaz Farkas
  • Colômbia: Edgar Negret, Leo Matiz, Eduardo Ramírez Villamizar e Feliza Bursztyn
  • Cuba: Sandu Darie, Loló (Dolores) Soldevilla, José Mijares, Roberto Diago e Carmen Herrera
  • México: Mathias Goeritz e Gunther Gerzso
  • Uruguai: Joaquín Torres García, Héctor Ragni, Antonio Llorens, Maria Freire e Marco Maggi
  • Venezuela: Alejandro Otero, Jesús Rafael Soto, Elsa Gramcko, Gego e Magdalena Fernández
A curadora Ania Rodríguez considera que mesmo nos casos em que não existem vínculos históricos comprovados entre artistas de diferentes latitudes, "os nexos podem ser estabelecidos a partir de uma sensibilidade comum evidente, que filia as tendências derivadas do construtivismo como paradigma estético”.
Para aquela parcela do público que ainda não está habituado às obras abstratas e sinta alguma dificuldade em “entender" propostas não figurativas, talvez seja útil uma frase de Ella Fontanals-Cisneros: “Penso que a arte abstrata é algo sofisticado, cujo gosto e apreciação se vai adquirindo com o tempo”. A exposição Construções Sensíveis é uma excelente oportunidade para aprimorar essa sensibilidade.
VISITAS EDUCATIVAS
Um marco sempre presente nas atividades do SESI-SP, responsável pela gestão da programação do Centro Cultural Fiesp, é o trabalho educativo, que potencializa ainda mais a experiência do público ao entrar em contato com as artes e a cultura, em alguns casos, pela primeira vez.
Pensando na democratização do acesso às manifestações artísticas e culturais em suas várias formas de expressão, o SESI-SP disponibiliza o serviço de visitas mediadas voltadas tanto para grupos escolares, quanto sociais, sem nenhum custo. Os interessados apenas precisam entrar em contado pelo telefone (55 11) 3146-7439, de segunda a sexta-feira, das 10h às 18h30, ou pelo site www.sesisp.org.br/meu-sesi.
Serviço:
Exposição Construções Sensíveis
:A experiência geométrica latino-americana na coleção Ella Fontanals-CisnerosPeríodo: de 6 de abril a 18 de junho de 2017Horários: diariamente, das 10h às 20h (entrada permitida até 19h40)Local: Galeria de Arte do Centro Cultural Fiesp | Avenida Paulista, 1313 (em frente à estação Trianon-Masp do Metrô) - São Paulo, SPCuradoria: Rodolfo de Athayde e Ania Rodríguez |Arte A Produções
Realização:
SESI-SPVisitas educativas: agendamentos escolares e de grupos pelo telefone (55 11 3146-7439).GRÁTIS. Mais informações pelo site www.centroculturalfiesp.com.br
_______________________________________AGÊNCIA GALO | Assessoria Construções Sensíveis
Nara Lacerda - nara.lacerda@agenciagalo.comTales Rocha - tales.rocha@agenciagalo.com
Thiago Rebouças - thiago.reboucas@agenciagalo.com
Telefone: (11) 3253-3227
Assessoria de Imprensa SESI-SP Cultura | www.sesisp.org.br/culturaRaisa Scandovieri - raisa.scandovieri@fiesp.com.brTelefone: (11) 3549-4846
Federação das Indústrias do Estado de São Paulo - FIESP
Assessoria de Jornalismo Institucional
Tels. (11) 3549-4450 e 3549-4602
Serviço Social da Indústria do Estado de São Paulo - SESI
Assessoria de Imprensa
Tel. (11) 3549-4846 e 3146-7706